admirável Porto Novo

Marife Macedo

Ó mar salgado que cintila
na pele do inocente do Leblon
Tu não vistes as águas que inundaram interiores

Águas da orla a mirar sempre
o horizonte aberto
Tu não vistes de que doces águas
nos banharam em torvelinho
arrancando raízes e cabelos

Tu estavas a olhar o admirável Porto Novo
Da força do concreto
esperas daí ver surgir o Amanhã?

No seu sal não há lágrimas, ó MAR
Venha mar adentro
verás que fomos refeitos de águas
que não trazem importados
mas desterros

Olhe pra trás,
por mais que a estonteante visão das curvas
te atrapalhe a atenção
Mire mar adentro
mire interiores

View original post